Av. Iguape, 385 (Sala 2 - Sobreloja) - Jd. Satélite | SJCampos-SP
+55 12997052441
contato@institutogratia.org

Os pecados contra o Santíssimo Sacramento e a necessidade de uma cruzada de reparação eucarística

Gratia Gratum Faciens

Os pecados contra o Santíssimo Sacramento e a necessidade de uma cruzada de reparação eucarística

Por Dom Athanasius Schneider

Nunca houve um tempo na história da Igreja em que o Santíssimo Sacramento tenha sofrido abusos e ofensas tão assustadores e sérios quanto os infligidos nas últimas cinco décadas, especialmente desde a autorização oficial e a aprovação papal em 1969 da prática da comunhão na mão. Esses abusos são ainda mais agravados pela prática generalizada em muitos países quando os fiéis, sem ter recebido o sacramento da penitência por muitos anos, recebem, no entanto, regularmente a Comunhão. A altura dos abusos da Santa Eucaristia é confirmada na admissão à Santa Comunhão de casais que vivem em um estado público e objetivo de adultério, violando assim seus laços matrimoniais sacramentais válidos e indissolúveis, como no caso dos chamados “divorciados e novamente casados”. Em algumas regiões, essa admissão à comunhão foi oficialmente aprovada com normas específicas e, no caso da região de Buenos Aires na Argentina, essas normas foram até ratificadas pelo Papa. Além desses abusos, a prática de admissão oficial à Santa Comunhão também é verificada para cônjuges protestantes de casamentos mistos, por exemplo, em algumas dioceses da Alemanha.

Dizer que o Senhor não está sofrendo por causa dos ultrajes perpetrados contra Ele no Santíssimo Sacramento pode nos levar a minimizar as enormes atrocidades cometidas. Algumas pessoas dizem: Deus se ofende com o abuso do Santíssimo Sacramento, mas o Senhor não sofre pessoalmente. Essa é, no entanto, uma visão teológica e espiritualmente muito estreita. Embora Cristo esteja agora em seu estado glorioso e, portanto, não esteja mais sujeito ao sofrimento humano, ele é, no entanto, afetado e tocado em seu Sagrado Coração pelos abusos e ultrajes cometidos contra sua Divina Majestade e contra seu amor infinito no Santíssimo Sacramento. Nosso Senhor expressou a alguns santos suas queixas e sua tristeza pelos sacrilégios e ultrajes com que os homens o ofendem. Podemos entender essa verdade com as palavras que o Senhor dirige a Santa Margarita Maria de Alacoque, como o Papa Pio XI as relata em sua encíclica Miserentissimus Redemptor:

Quando Jesus Cristo aparece a Santa Margarida Maria, manifestando-lhe a infinidade de seu amor, juntos, como se estivesse entristecido, se queixa de tantos ultrajes que recebe dos homens por estas palavras que teriam que ser gravadas em almas piedosas para que nunca fossem esquecidas: « Aqui está este coração que amou tanto os homens e os encheu de tantos benefícios e que, em preço de seu amor infinito, não encontra gratidão, mas ultrajes, às vezes até mesmo daqueles que são obrigados a amá-lo com amor especial.” 

O Frei Michel de la Sainte Trinité deu uma explicação teológica profunda do significado do “sofrimento” ou “tristeza” de Deus por causa das ofensas que os pecadores cometem contra ele:

“Este “sofrimento”, esta “tristeza” do Pai Celestial ou de Jesus desde a sua Ascensão devem ser entendidos de maneira analógica. Eles não sofrem passivamente como nós, mas, pelo contrário, eles são livremente escolhidos como expressão máxima de sua misericórdia para com os pecadores chamados à conversão. Eles são apenas uma manifestação do amor de Deus pelos pecadores, um amor que é soberanamente livre e gratuito e que não é irrevogável.” (cf. Toda a verdade sobre Fátima, vol. I 1311-1312).

Este significado espiritual análogo da “tristeza” ou “sofrimento” de Jesus no mistério eucarístico é confirmado pelas palavras do Anjo em sua aparição em 1916 aos pastorinhos de Fátima e especialmente pelas palavras e exemplo da vida de São Francisco Marto. As crianças foram convidadas pelo anjo para reparar as ofensas contra Jesus sacramentado e consolá-lo, como podemos ler nas Memórias da Irmã Lúcia:

Estando, pois, aí, apareceu-nos pela terceira vez, trazendo na mão um cálix e sobre ele uma Hóstia, da qual caíam, dentro do cálix, algumas gotas de sangue. Deixando o cálix e a Hóstia suspensos no ar, prostrou-se em terra e repetiu três vezes a oração: – Santíssima Trindade, Padre, Filho, Espírito Santo… Depois, levantando-se, tomou de novo na mão o cálix e a Hóstia e deu-me a Hóstia a mim e o que continha o cálix deu-o a beber à Jacinta e ao Francisco, dizendo, ao mesmo tempo: – Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolei o vosso Deus.” (Memórias da Irmã Lúcia I, Fátima 2007, pp. 170-171)

Relatando a terceira aparição em 13 de julho de 1917, a Irmã Lúcia sublinhou como Francisco percebeu o mistério de Deus e a necessidade de consolá-lo por causa das ofensas dos pecadores:

O que mais o impressionava ou absorvia era Deus, a Santíssima Trindade, nessa luz imensa que nos penetrava no mais íntimo da alma. Depois, dizia: – Nós estávamos a arder, naquela luz que é Deus, e não nos queimávamos. Como é Deus!!! Não se pode dizer! Isto sim, que a gente nunca pode dizer! Mas que pena Ele estar tão triste! Se eu O pudesse consolar” (Memórias da Irmã Lúcia I, Fátima 2007, p. 145)

A Irmã Lúcia escreveu como Francisco percebeu a necessidade de consolar Deus, que ele entendia “triste” por causa dos pecados dos homens: 

Um dia eu o perguntei: “Francisco, tu, de que gostas mais: de consolar a Nosso Senhor ou converter os pecadores, para que não (vão) fossem mais almas para o inferno? – Gostava mais de consolar a Nosso Senhor. Não reparaste como Nossa Senhora, ainda no último mês, se pôs tão triste, quando disse que não ofendessem a Deus Nosso Senhor que já está muito ofendido? Eu queria consolar a Nosso Senhor e depois converter os pecadores, para que não O ofendessem mais” (Memórias da Irmã Lúcia I, Fátima 2007, p. 155)

Em suas orações e na oferta de seus sofrimentos, São Francisco Marto priorizou a intenção de “consolar o Jesus escondido”, isto é, o Senhor Eucarístico. A Irmã Lúcia relatou estas palavras de Francisco, que ele lhe disse: “Olha: vai à Igreja e dá muitas saudades minhas a Jesus escondido. Do que tenho mais pena é de não poder já ir a estar uns bocados com Jesus escondido. Mas primeiro ofereço para consolar a Nosso Senhor, a Nossa Senhora e depois, então, é que ofereço por os pecadores e por o Santo Padre.” (Memórias da Irmã Lúcia I, Fátima 2007, p. 156)

Jesus Cristo continua misteriosamente sua paixão no Getsêmani ao longo dos séculos, no mistério de sua Igreja e também no mistério eucarístico, o mistério de seu imenso amor. Conhecida é esta expressão de Blaise Pascal: “Jesus ficará em agonia até o fim do mundo. Não devemos dormir durante esse tempo”. (Pensées, n. 553) O cardeal Karol Wojtyla nos deixou uma profunda reflexão sobre o mistério dos sofrimentos de Cristo no Getsêmani, que, em certo sentido, continuam na vida da Igreja. O cardeal Wojtyla também falou sobre o dever da Igreja de consolar Cristo:

E agora a Igreja procura recuperar aquela hora no Getsêmani – a hora perdida por Pedro, Santiago e Juan – para compensar a falta de companhia do Mestre que aumentou o sofrimento de sua alma. O desejo de compensar essa hora tornou-se uma verdadeira necessidade de muitos corações, especialmente para aqueles que vivem tão plenamente quanto possível o mistério do Coração Divino. O Senhor Jesus nos permite encontrá-lo a essa hora e nos convida a compartilhar a oração do seu coração. Diante de todas as provações pelas quais o homem e a Igreja precisam passar, há uma necessidade constante de retornar ao Getsêmani e empreender essa participação na oração de Cristo, nosso Senhor.” (Sinal de contradição, capítulo 17, “A oração no Getsêmani”)

Jesus Cristo, no mistério eucarístico, não é indiferente e insensível ao comportamento que os homens mostram a Ele neste sacramento de amor. Cristo está presente neste sacramento também com sua alma, que está hipostaticamente unida à sua Pessoa Divina. O teólogo romano Antonio Piolanti apresentou uma sólida explicação teológica a esse respeito. Embora o Corpo de Cristo na Eucaristia não pudesse ver ou sentir com os sentidos o que está acontecendo ou o que está sendo dito no lugar de sua presença sacramental, Cristo na Eucaristia “ouve tudo e vê com conhecimento superior”. Piolanti então cita o cardeal Franzelin:

“A santa humanidade de Cristo vê todas as coisas em si mesma em virtude do infinito conhecimento infuso do Redentor da humanidade, do Juiz dos vivos e dos mortos, do Primogênito de todas as criaturas, do centro de toda a história celestial e terrestre. Todos esses tesouros da visão beatífica e do conhecimento infuso estão certamente na Alma de Cristo, na mesma medida em que estão presentes na Eucaristia. Além dessas razões, por outro título especial, assim como a alma de Cristo está formalmente na Eucaristia, para o próprio objetivo da instituição do mistério, ela vê todos os corações dos homens, todos os pensamentos e afetos, todas as virtudes e todos os pecados, todas as necessidades de toda a Igreja e seus membros individuais; as obras, as ansiedades, as perseguições, os triunfos – em uma palavra, toda a vida interna e externa da Igreja, sua Esposa, alimentada com sua carne e seu precioso Sangue. Assim, para um título triplo (se é que podemos dizer), Cristo no Santíssimo Sacramento vê e de certa maneira divina percebe todos os pensamentos e afetos, a adoração, as homenagens e também os insultos e pecados de todos os homens em geral, de todos os seus fiéis especificamente e seus sacerdotes em particular; Ele percebe homenagens e pecados que se referem diretamente a este inefável mistério do amor”. (De Eucharistia, pp. 199-200, citado em Il Mistero Eucaristico, Firenze 1953, pp. 225-226)

Um dos maiores apóstolos da Eucaristia nos tempos modernos, São Pedro Julião Eymard, deixou-nos as seguintes profundas reflexões sobre os efeitos do amor sacrificial de Cristo na Eucaristia:

Ao instituir seu sacramento, Jesus perpetuou os sacrifícios de Sua paixão … Ele estava familiarizado com todos os novos Judas; ele os contou entre os seus, entre seus filhos amados. Mas nada disso poderia detê-lo. Ele queria que seu amor fosse além da ingratidão e malícia do homem; ele queria sobreviver à malícia sacrílega do homem. Ele sabia de antemão a tibieza de seus seguidores: ele conhecia a minha tibieza; Ele sabia quão pouco fruto obteríamos da Sagrada Comunhão. Mas Ele queria amar da mesma maneira, amar mais do que era amado, mais do que aquilo que o homem poderia retribuir. Existe algo mais? Mas não é nada ter adotado esse estado de morte quando se tem a plenitude da vida, uma vida glorificada e sobrenatural? Não é nada para ser tratado e considerado morto? Nesse estado de morte, Jesus não tem beleza, movimento ou defesa; é envolto na espécie sagrada como uma mortalha e colocado no tabernáculo como uma sepultura. No entanto, está lá; Ele vê tudo e ouve tudo. Ele se submete a tudo como se estivesse morto. Seu amor projeta um véu sobre seu poder, sobre sua glória, nas mãos, nos pés, no rosto formoso e nos lábios sagrados; escondeu tudo. Ele apenas deixou seu coração para nos amar e sua condição de vítima para interceder por nós”. (A Presença Real: O Santíssimo Sacramento não é Amado!, III)”

São Pedro Julião Eymard escreveu a seguinte profissão comovente e quase mística do amor eucarístico de Cristo, com um ardente apelo à reparação eucarística: 

O coração que suportou os sofrimentos com tanto amor está aqui no Santíssimo Sacramento; ele não está morto, mas vivo e ativo; não é insensível, mas ainda mais carinhoso. Jesus não pode mais sofrer: é verdade; mas, infelizmente, o homem ainda pode se tornar culpado de ingratidão monstruosa. Vemos cristãos que desprezam Jesus no Santíssimo Sacramento e mostram desprezo pelo coração que os amou tanto e que consome amor por eles. Para desprezá-lo alegremente, eles se aproveitam do véu que o oculta. Eles o insultam com suas irreverências, pensamentos pecaminosos e olhares criminosos na presença dele. Para expressar seu desprezo por Ele, eles se aproveitam de sua paciência, da bondade que tudo sofre em silêncio, como aconteceu com o soldado ímpio de Caifás, Herodes e Pilatos. Eles blasfemam sacrílegamente contra o Deus da Eucaristia. Eles sabem que seu amor o deixa sem palavras. Eles o crucificam mesmo em suas almas culpadas. Eles o recebem. Eles se atrevem a pegar esse coração vivo e amarrá-lo a um cadáver imundo. Eles se atrevem a entregá-lo ao diabo que é seu senhor! Não! Nem mesmo nos dias de sua paixão Jesus recebeu tantas humilhações como em seu Santíssimo Sacramento! A terra para Ele é um calvário de ignominias. Em sua agonia, ele procurou alguém para confortá-lo; na cruz, ele pediu a alguém que compartilhasse suas aflições. Hoje, mais do que nunca, devemos expiar e reparar a honra do adorável Coração de Jesus. Vamos esbanjar nossa adoração e nosso amor pela Eucaristia. Ao coração de Jesus que vive no Santíssimo Sacramento seja honra, louvor, adoração e poder real para todo o sempre!” (A Presença Real. O Sagrado Coração de Jesus, III)

Em sua última encíclica Ecclesia de Eucharistia, o Papa João Paulo II nos deixou reflexões luminosas com as quais destacou a extraordinária santidade do mistério eucarístico e o dever dos fiéis de tratar este sacramento com a máxima reverência e ardente amor. De todas as suas exortações, essa afirmação se destaca: “Não há perigo de exagerar no cuidado que lhe dedicamos, porque, «neste sacramento, se condensa todo o mistério da nossa salvação»” (São Tomás de Aquino, Summa Theologiae, III, q. 83, a. 4c). ” (n. 61)

Seria uma medida pastoralmente urgente e espiritualmente frutuosa para a Igreja estabelecer em todas as dioceses do mundo um “Dia de reparação pelos crimes contra a Santíssima Eucaristia”. Esse dia poderia ser a Oitava dia da festa de Corpus Christi. O Espírito Santo dará graças especiais de renovação à Igreja em nossos dias quando, e somente quando, o Corpo Eucarístico de Cristo será adorado com todas as honras divinas, amado, cuidadosamente tratado e defendido como realmente o Santo dos Santos. Santo Tomás de Aquino diz no hino Sacris sollemniis: “Ó Senhor, visitai-nos na medida em que nós Vos veneramos neste sacramento.” (sic nos Sua visita, sicut Te colimus) E podemos dizer sem dúvida: Ó Senhor, Vós nos visitareis na Vossa Igreja em nossos dias, na medida em que a prática moderna da Comunhão em mãos retrocede e na medida em que Vos oferecemos atos de reparação e amor.

Na atual chamada “Emergência Pandêmica COVID-19”, os horríveis abusos do Santíssimo Sacramento aumentaram ainda mais. Muitas dioceses em todo o mundo ordenaram a Comunhão na mãos e, nesses lugares, o clero, de uma maneira muitas vezes humilhante, nega aos fiéis a possibilidade de receber o Senhor de joelhos e em boca, demonstrando um clericalismo deplorável e exibindo o comportamento de neopelagianos rígidos. Além disso, em alguns lugares, o adorável Corpo Eucarístico de Cristo é distribuído pelo clero e recebido pelos fiéis com luvas domésticas ou descartáveis. O tratamento do Santíssimo Sacramento com luvas apropriadas para o tratamento do lixo é um abuso eucarístico indescritível.

Em vista dos horríveis maus tratos de Nosso Senhor Eucarístico – que é continuamente pisoteado por causa da Comunhão na mão, durante a qual pequenos fragmentos da Santa Hóstia quase sempre caem no chão; em vista do fato de que o Corpo do Senhor é tratado de maneira minimalista, privado do sagrado, tratado como um biscoito ou tratado como lixo pelo uso de luvas de uso doméstico – nenhum bispo, sacerdote ou fiel fiel católico pode permanecer indiferente e  ficar simplesmente a assistir.

Deve ser iniciada uma cruzada mundial de reparação e consolo do Senhor Eucarístico. Como medida concreta para oferecer ao Senhor Eucarístico os urgentemente necessários atos de reparação e consolo, cada católico pode prometer oferecer pelo menos uma hora inteira de adoração eucarística mensalmente, seja antes do Santíssimo Sacramento no tabernáculo ou antes do Santíssimo Sacramento exposto no ostensório. A Escritura Sagrada diz: “Onde abundaram os pecados, a graça abundou mais” (Rom. 5, 20) e podemos acrescentar de maneira análoga: “Onde abundam os abusos eucarísticos, os atos de reparação serão mais abundantes”.

O dia em que, em todas as igrejas do mundo católico, os fiéis recebem o Santíssimo Sacramento, velado sob as espécies da pequena Sagrada Hóstia, com verdadeira fé e coração puro, no gesto bíblico de adoração (prosquinesis), isto é, ajoelhado e com a atitude de uma criança, abrindo a boca e deixando-se alimentar pelo próprio Cristo com um espírito de humildade, então a verdadeira primavera espiritual virá sem dúvida. A Igreja crescerá na pureza da fé católica, no zelo missionário pela salvação das almas e na santidade do clero e dos fiéis. De fato, o Senhor visitará sua Igreja com suas graças na medida em que o veneramos em seu sacramento inefável de amor (sic nos Tu visita, sicut Te colimus).

Queira Deus que, através da Cruzada Eucarística de reparação, possa aumentar o número de adoradores, amantes, defensores e reparadores do Senhor Eucarístico. Que os dois pequenos apóstolos eucarísticos de nossa época, São Francisco Marto e o em breve bem-aventurado Carlo Acutis (beatificação em 10 de outubro de 2020) e todos os santos eucarísticos sejam os protetores desta Cruzada Eucarística. Porque, como lembra São Pedro Julião Eymard, a verdade irrevogável é a seguinte: “Uma época prospera ou diminui proporcionalmente à sua devoção à Eucaristia. Esta é a medida da sua vida espiritual, da sua fé, caridade e virtude. ”

+ Athanasius Schneider, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Santa Maria em Astana

Oração da Cruzada de Reparação ao Coração Eucarístico de Jesus

Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo Vos! Peço Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam. (três vezes)

Ó Divino Coração Eucarístico de Jesus, aqui estamos nós, prostrado com um coração contrito e adorador diante da majestade do Vosso amor redentor no Santíssimo Sacramento. Declaramos que estamos dispostos a reparar por expiação voluntária, não apenas por nossos próprios pecados pessoais, mas, em particular, pelos ultrajes indescritíveis, sacrilégios e indiferenças com os quais Vós estais ofendido no Santíssimo Sacramento do Vosso Divino Amor neste nosso tempo, especialmente pela prática da Comunhão na mão e pela recepção da Sagrada Comunhão em um estado de descrença e pecado mortal.

Quanto mais a incredulidade ataca Vossa Divindade e Vossa presença real na Eucaristia, mais acreditamos em Vós e Vos adoramos, o coração eucarístico de Jesus, em quem habita toda a plenitude da Divindade!

Quanto mais Vossos sacramentos são desprezados, mais creremos neles e mais reverentemente queremos recebê-los, ó Coração Eucarístico de Jesus, fonte de vida e santidade!

Quanto mais o Vosso Santíssimo Sacramento é ultrajado e blasfemado, mais proclamaremos solenemente: “Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo Vos! Peço Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam“, o Coração Eucarístico de Jesus, digno de todo louvor!

Quanto mais Vos sois abandonado e esquecido em Vossas igrejas, mais queremos visitar Vos que habitais entre nós nos tabernáculos de nossas igrejas, ó Coração Eucarístico de Jesus, Casa de Deus e Porta do Céu!

Quanto mais a celebração do sacrifício eucarístico é privada de seu caráter sagrado, mais queremos apoiar uma celebração reverente da Santa Missa, orientada externa e internamente para Vos, ó Coração eucarístico de Jesus, tabernáculo do Altíssimo!

Quanto mais Vós sois recebido na Sagrada Comunhão nas mãos e em pé, sem um sinal visível de humildade e adoração, mais queremos receber Vos ajoelhados e na boca, com a humildade do publicano e a simplicidade de uma criança, ó Coração Eucarístico de Jesus, de infinita majestade!

Quanto mais corações impuros em estado de pecado mortal Vos receberem na Sagrada Comunhão, mais queremos fazer atos de contrição e purificar nossos corações com a frequente recepção do Sacramento da Penitência, ó Coração Eucarístico de Jesus, nossa Paz e Reconciliação!

Quanto mais o inferno trabalha pela perdição de almas, mais nosso zelo pela salvação delas arde com o fogo do Vosso amor, ó Coração Eucarístico de Jesus, salvação daqueles que esperam em Vós!

Quanto mais a diversidade de religiões é declarada como vontade positiva de Deus e como um direito baseado na natureza humana; e quanto mais o relativismo doutrinário cresce, mais confessamos vivamente que Vós sois o único Salvador da humanidade e o único caminho para Deus Pai, ó Coração Eucarístico de Jesus, Rei e centro de todos os corações!

Quanto mais algumas autoridades da Igreja não se arrependerem da exibição de ídolos pagãos nas igrejas, e mesmo em Roma, mais confessaremos a verdade: “Que acordo existe entre o templo de Deus e os ídolos?” (2 Cor. 6, 16); e mais condenaremos convosco “a abominação da desolação no lugar santo” (Mateus 24, 15), ó Coração eucarístico de Jesus, templo santo de Deus!

Quanto mais Vossos santos mandamentos são esquecidos e transgredidos, mais queremos observá-los com a ajuda de Vossa graça, ó Coração eucarístico de Jesus, abismo de todas as virtudes!

Quanto mais a sensualidade, o egoísmo e o orgulho reinam entre os homens, mais queremos dedicar nossa vida a Vós com um espírito de sacrifício e abnegação, ó Coração Eucarístico de Jesus, saturado de opróbrios!

Quanto mais violentamente as portas do inferno assaltam Vossa Igreja e a rocha de Pedro em Roma, mais cremos na indestrutibilidade de Vossa Igreja, ó Coração Eucarístico de Jesus, fonte de toda a consolação, que não abandonais Vossa igreja ou a rocha de Pedro, nem mesmo nas tempestades mais pesadas!

Quanto mais as pessoas se separam em ódio, violência e egoísmo, mais intimamente nós, como membros da única família de Deus na Igreja, queremos amar uns aos outros em Vós, ó Coração eucarístico de Jesus, cheio de bondade e de amor!

Ó Divino Coração Eucarístico de Jesus, concedei-nos a Vossa graça, para que sejamos fiéis e humildes adoradores, amantes, defensores e reparadores do Vosso Coração Eucarístico nesta vida e recebamos as glórias do Vosso amor na visão beatífica por toda a eternidade! Amém.

Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo Vos! Peço Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam. (três vezes)

Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento, rogai por nós!

Santo Tomás de Aquino, São Pedro Julão Eymard, São Francisco Marto, São Pio de Pietrelcina e todos os santos eucarísticos, rogai por nós!